26 de junho de 2011

RESPOSTA A UM TEXTO SOBRE A VELHICE


Você concorda com ele? Eu não, e digo por que a cada frase:

Texto: Eu nunca trocaria meus amigos surpreendentes,

Divina: Porque amigos são valiosos demais para que se possa sequer pensar em negociá-los, mas bem que eu gostaria de ter mais tempo, mais vida e mais anos para fazer mais amigos. Além disso, não sei não, mas acho que muita gente que diz isso diz apenas porque sabe que nunca será posto diante dessa possibilidade de troca e não porque realmente não a aceitaria.

Texto: minha vida maravilhosa,

Divina: Minha vida, embora seja e tenha sido muito boa, não é e nunca foi maravilhosa. Não há como ter uma vida maravilhosa quando se pensa no quanto a vida, a Vida mesma, como um todo e para muitas e muitas pessoas, é feita, em geral, de bem mais horas de dor do que de momentos de riso.

Texto: minha amada família

Divina: Nem todas as pessoas da minha família são assim tão amadas, como acontece com quase todas as famílias; e dos que são amados digo o mesmo que disse dos amigos: são valiosos demais para serem negociados; mas acho que esse conceito não é válido, de verdade, pra todo mundo.

Texto: por menos cabelo branco

Divina: Odeio meus cabelos brancos! Não são passíveis de troca por amigos ou familiares, mas eu adoraria não tê-los!

Texto: ou uma barriga mais lisa.

Divina: Também odeio minha barriga! E não só a barriga, odeio meu corpo todo se deteriorando e cheio de fraquezas, debilidades e dores que sei que só vão aumentar.

8 de junho de 2011

JESUS VEIO NOS SALVAR DE QUE?

Coloquei essa pergunta para os cristãos e eles me deram essas respostas, que estou comentando uma a uma. Será que você teria uma resposta mais convincente do que essas?


Resposta 1

– Jesus Cristo, que é a Palavra de Deus, nos salva da morte espiritual eterna. "Porque o salário do pecado é a morte, mas o Dom Gratuito de Deus é a vida eterna, por Cristo Jesus, nosso Senhor." - (Romanos 6:23)


Divina

– Só isso? Então para aceitar uma coisa sem sentido preciso aceitar também outra coisa sem sentido? Ou seja, tenho que acreditar em vida após a morte para que Jesus faça algum sentido. A existência de vida após a morte é extremamente discutível, não há como afirmar que exista algo do tipo e a minha tendência é simplesmente duvidar. Afinal, se existir vida após a morte quem serei eu lá? A Divina que sou agora? A Divina velha, fraca, doente e gagá que talvez eu seja daqui a alguns anos? A Divina jovem e desmiolada que fui? A Divina criança que não entendia porque pais e maridos espancam crianças e mulheres? Uma outra Divina sem corpo que não seria de verdade eu? Se pensar um pouco nisso concluo que não gostaria nem um pouco de uma vida após a morte ou que, no mínimo eu seria outra coisa e não eu mesma e, portanto, não seria eu numa vida pós morte, seria só outra coisa. Eu duvido dessa ou de qualquer outra possibilidade que não seja o simples e completo fim.


Resposta 2

– Querido(a)...você esta confuso... aceite Jesus no coração e peça para Ele te salvar de toda falta de entendimento que possa te levar para um caminho ruim.


Divina

– Isso é resposta? Se eu resolvesse aceitar Jesus no meu coração isso seria mesmo algum tipo de entendimento? Duvidar daquilo que não faz nenhum sentido e sobre o que não há nenhuma prova ou evidência minimamente convincente é falta de entendimento? E o que é o caminho ruim? É pensar? É questionar? É não aceitar tudo o que me dizem só porque afirmam ser verdade? Se for isso adoro ser uma pessoa sem entendimento!


Resposta 3

– No final dos tempos (ninguém sabe quando), Jesus voltará para julgar os vivos e os mortos, quem passar no teste, será salvo, subirá para os céus como “eleito”.


Divina

– Que teste? Todos dizem que Jesus é deus, tentam explicar isso com o mais do que confuso conceito da “santíssima trindade”. Portanto, se Jesus é deus, ele também é onisciente; por que cargas d’água um deus onisciente precisa testar alguém? Se ele precisa testar é porque não sabe, se ele não sabe não é deus; e se ele não é deus por que eu tenho que me submeter a ele? Ele vai me julgar segundo quais critérios? Os dele no antigo ou os dele no novo testamento? Ele vai me julgar como a pecadora que ousou duvidar dele e portanto tem que queimar para sempre no fogo do inferno ou vai desmentir a si mesmo e ser justo? E quem disse que eu quero subir ao céu como “eleita”? E se eu preferir que ele me dispense desse julgamento idiota e sem sentido e que simplesmente me mande de volta para o nada de onde (segundo os cristãos) ele me tirou sem me consultar? Quando você leu a bíblia (se é que leu) você não viu que Jesus sabia sim quando voltaria e que seria muito logo, ainda no tempo de vida dos seus contemporâneos? Se ele se enganou com respeito a isso, por que tenho que acreditar que não se enganou com respeito a todo o resto?


Resposta 4

– Querida, Nós fomos criados para a vida eterna, não para a morte. Porém, ao pecar, o homem perdeu o direito à vida. Mas Deus em Seu infinito amor e compaixão, nos enviou Jesus, para nos salvar da morte eterna. Ele nos deu, através de Seu sangue puro e imaculado, o direito à vida eterna novamente. Nós estávamos condenados à morte. Nossa vida não se limita a essa. Depois da nossa morte carnal, poderá haver a morte ou a vida eterna da alma. E quando formos resgatados para o Lar Celestial, não haverá mais choro, nem dor, muito menos a morte. Se você acha que isso não é Salvação... Fazer o que né... Bom dia.


Divina

– Fomos criados para a vida eterna? Por quê? Não vejo nenhum aspecto do ser humano que o faça digno de tal privilégio. A mim essa frase na verdade carrega uma imensa e, quero crer, involuntária prepotência. E se fomos criados para a vida eterna mas algo saiu errado não seria por falha na criação e, portanto, erro do criador? Outra coisa, se perdemos o direito à tal vida eterna porque pecamos, isso significa apenas que nunca tivemos direito a vida eterna nenhuma, afinal, se fomos criados humanos, fomos criados propensos a “pecar”, e um deus onisciente que nos tivesse criado saberia disso desde sempre. E tem ainda o duvidoso conceito de “pecado”: o que é pecado? Para muitos teístas parece ser, entre outras coisas, a audácia de usar nossa capacidade de pensar, que teoricamente teria sido dada por deus.

E essa outra fica ainda mais difícil de engolir: “Deus em Seu infinito amor e compaixão, nos enviou Jesus, para nos salvar da morte eterna”. Não consigo perceber onde é que está esse infinito amor e essa infinita compaixão. Então um deus onipotente não poderia ter imaginado uma maneira menos sanguinária de “fazer as pazes” com a humanidade, que só pecou porque ele próprio a criou com a tendência ao pecado? Não, eu não acho que isso é salvação. Um internauta chamado Alan Vinícius disse que “Deus é como um flanelinha: Nós pagamos ele, pra que ele nos proteja de um mal que ele mesmo cria!", pelo que ouço e leio a respeito de deus, sou obrigada a concordar com o Alan.


Resposta 5

– Está dito no Bavagad Gita que quando a religião se corrompe, e o homem já não tem o rumo certo, Deus em pessoa vem à Terra para restaurar a verdade sobre o mundo espiritual e sobre o Caminho. Jesus veio botar ordem na casa e salvar os homens de bem dos filhos do homem. O de mais importante e sagrado que ele fez foi restaurar a verdade sobre Deus e dos caminhos que levam efetivamente a Deus. Te amo Jesus. Hare Krishna.


Divina

– Confesso que não sei nada a respeito de Bavagard Gita e não sei qual é a relação entre Hare Krisna e Jesus, pelo que li numa pesquisa muito rápida, e portanto não totalmente confiável, é um texto religioso hindu datado do século IV a.C. Por essa pesquisa, pela data do texto, e ainda pelo pouco que já ouvi das religiões hindus, parece que não faz muito sentido incluir Jesus nesse contexto. De qualquer forma essa de que Jesus teria vindo para restaurar a verdade sobre deus e os caminhos que levam a deus não faz muito sentido, principalmente porque desde sempre todos os adeptos de qualquer religião são, na opinião deles mesmos, possuidores e conhecedores da Verdade (a única verdade, que é sempre a deles), sabem muito bem quem é deus (é sempre o deus deles e os outros deuses são sempre falsos) e conhecem como ninguém os caminhos que levam a deus (ao deus deles, é claro). Daí que se fosse mesmo esse o motivo da vinda de Jesus, depois dessa vinda tudo teria mudado e não haveria outra verdade a não ser a que ele trouxe. Como cada religião e seita do planeta ainda continua tendo a mesma pretensão de verdade que todas as religiões sempre tiveram, só posso concluir que não foi bem esse o motivo da vinda de Jesus. A não ser é claro, que os cristãos admitam que Cristo falhou em sua missão.


Resposta 6

– João 8: 31-34 (E Jesus prosseguiu assim a dizer aos judeus que acreditavam nele: “Se permanecerdes na minha palavra, sois realmente meus discípulos, e conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará.” Replicaram-lhe: “Somos descendência de Abraão e nunca fomos escravos de ninguém. Como é que dizes: ‘Ficareis livres’?” Jesus respondeu-lhes: “Digo-vos em toda a verdade: Todo praticante do pecado é escravo do pecado.) Como uma forma, se estiver machucada, tudo que for feito com ela sairá com os traços. É assim que somos, fomos feitos depois que Adão e Eva pecaram e, conseqüentemente, todos herdaram isso. Deus deu seu filho Jesus para nos salvar justamente desse mal, o pecado, pois o propósito de Deus era que enchesse a terra e servissem a ele com corpo e mente perfeitos, e esse propósito não mudou, por isso providenciou uma forma de resgatar essa divida deixada por Adão e Eva, pois apenas um sangue perfeito poderia equilibrar a balança, como na terra não havia ninguém para isso, ai veio Jesus para morrer por nós de derramar seu sangue em troca dessa dívida e Deus o aceitou. Espero ter ajudado.


Divina

– “Todo praticante do pecado é escravo do pecado.” Mas o que é pecado? Esse conceito fica relativo demais quando no conceito de pecado entra também o ato de pensar e questionar e o direito de duvidar. E pelo que leio no novo testamento para Jesus pecado era basicamente isso: não acreditar nele. Dentro desse conceito sou pecadora e não aceito que esse pecado seja equivalente à escravidão, muito pelo contrário! “Fomos feitos depois que Adão e Eva pecaram e conseqüentemente, todos herdaram isso”. Esse é um dos argumentos mais absurdos que conheço. A comparação é ridícula; Adão e Eva não são formas, nossos pais não são formas, nós não somos produtos de uma forma defeituosa; nós somos defeituosos! Um deus que se diz justo e que castiga por séculos e séculos todos os descendentes de um casal porque esse casal cometeu o pecado ridículo de dar uma mordida em uma maçã que ele mesmo, deus, colocou na frente deles para que mordessem e sabendo que morderiam não merece o mínimo respeito. Pelo menos não de mim! E você diz que “o propósito de Deus era que enchesse a terra e servissem a ele com corpo e mente perfeitos”, e eu pergunto: Por que um deus onipotente precisa de escravos? Quando é que quem se humilha pode ser perfeito? Desde quando ser servo pode ter alguma relação com qualquer coisa que seja boa? Desculpe, mas eu decididamente não quero ser serva de ninguém! E, para mim, um deus que fosse bom não desejaria que ninguém fosse servo de ninguém e muito menos dele mesmo; e certamente não criaria ninguém com esse propósito.


Resposta 7

– Veio nos salvar do pecado. Acontece que fica difícil entender quando você não entende o que de fato é o pecado. Matar alguém é pecado, sim, fato. Mas há uma pequena diferença entre pecado e o pecado. Quando você fala de pecado, é algo que vai contra a lei de Deus. Quando você fala do pecado, você fala de tudo que vai contra a lei de Deus, junto, e de suas consequências. A ideia da missão salvífica é muito mais complexa. O Cristo nasce para tirar o pecado do mundo. Ele permite o perdão. Isso é tirar o pecado do mundo. A grande consequência do pecado é separar o homem de Deus, tirá-lo de Sua amizade. Com o sacrifício salvífico o homem pode então ir para o céu, que é ver a face de Deus (faça o favor de lembrar que Deus é inefável e todas essas palavras são metáforas para entender a felicidade suprema que reside no Princípio e Fim de todas as coisas, chamado por nós de Deus). O homem, desde o pecado original, foi privado de toda a graça de Deus. Mesmo Abraão, chamado de pai da fé, ao morrer não "permaneceu vivo" (não se esqueça, por favor, que o conceito filosófico-cristão de morte vai bem mais longe). Abraão foi para a Mansão dos Mortos, pois o pecado o impedia de ver a Deus. Quando o Cristo se sacrificou ele buscou os justos da mansão dos mortos, salvou-os do pecado e os levou ao céu. Assim como eles, agora todos que morrem livres do pecado (por graça de Deus, obviamente, operada no sacrifício salvífico na cruz), podem ir para o Reino de Deus. Um filósofo cristão cujo nome não me recordo agora disse que o pecado provocou uma desordem tão grande que só um sacrifício imenso como aquele poderia corrigir essa desordem. O mau, o medo, a morte, o sofrimento, a dor, as trevas e talvez, sendo vistos como consequências do pecado, foram todos derrotados também. Um bom cristão não teme o mal, sofre com alegria, não morre (sentido teológico, por favor), não se aproxima das trevas... Deus nos salvou, mas não voltou atrás no livre-arbítrio. Da parte dEle está tudo feito, mas cabe a você corresponder a isso tudo. O Evangelho não é um livro, é um estilo de vida. E quando o tempo se consumar e o Cristo voltar, todo o mal, decorrente do pecado, será extinto de uma vez por todas e a criação chegará à sua perfeição em Deus. Fonte(s): Antropologia Teológica (Criação e Pecado)


Divina

– Uma resposta bastante completa mas que em resumo fala de um deus onisciente que criou o casal humano com tendência ao pecado, deu a ele todas as oportunidades e facilidades para que, seguindo sua natureza dada, esse homem pecasse. Para facilitar o que sua onisciência já sabia que aconteceria, deus deixou a fruta bem no meio do jardim, apetitosa e tentadora ao alcance da mão e dos olhos, e para garantir que não haveria resistência que pudesse deixar de sucumbir ele ainda mandou a cobra dar uma forcinha. O casal ainda não tinha comido a maçã quando tomou a decisão de comê-la, certo? Então, ao tomar a decisão de comer eles já cometeram o pecado; mas como podem ter optado pelo mal ANTES de terem o conhecimento do mal? Como isso pode fazer sentido para o cristão? E mais: Se deus é onisciente então sabia de tudo desde sempre e para sempre, ou seja, sabia que eles comeriam a maçã e sabia que teria que mandar seu filho pra morrer. E se deus é onipotente então ele podia ter feito tudo diferente do que fez, por exemplo ter deixado a maçã longe do alcance das “crianças” ou ter criado o ser humano sem essa tendência à desobediência, ou qualquer outra coisa que impedisse o que aconteceu, até mesmo ser realmente justo e piedoso como dizem que ele é e não ter tomado essa atitude horrível de castigar toda a humanidade por conta do ato de duas únicas pessoas. Ou seja, deus é mal, sádico, torturador, criminoso e assassino do próprio filho. Como querem que eu tenha respeito por um ser abominável como esse? Quanto a essa história de morrer mas não morrer muito, de ir para o “Reino de Deus”, de ser resgatado da “Mansão dos mortos”; simplesmente não vejo como acreditar em tanta fantasia. Acho que seria até mais fácil acreditar em duendes, em fadas e na Terra do Nunca.


Resposta 8

– Adão e Eva optaram por viver o Bem e o mal, com o seu livre arbítrio. E nós herdamos a morte de nossos pais. Mas Deus enviou seu filho, o cordeiro de Deus, para de novo voltarmos a ter direito à vida eterna. É a salvação. E isso herdamos de nosso amado Jesus, como filhos de Deus, na melhor expressão desta verdade.


Divina

– De novo vem alguém me dizer que o deus que chamam de justo já começou o mundo com uma tremenda injustiça! Ninguém hoje em dia concordaria que devemos castigar nos filhos os erros dos pais; não vejo nenhum avô espancando seu neto porque o pai dele quando tinha a mesma idade saiu de casa sem ordem para brincar com o filho do vizinho no lugar de ficar em casa e fazer a lição; não vejo nenhuma avó espancando sua neta porque sua filha, mãe dessa neta, comeu um pedaço do pudim depois de ela ter avisado que não era pra comer ainda; só depois do jantar. O que os cristãos não admitiriam neles mesmos a não ser como uma tremenda injustiça e uma maldade sem par admitem no seu deus e ainda tem coragem de dizer que esse deus é justo e bom. Como posso entender isso?


Resposta 9

– Eu sou cristã e vou te dar uma resposta bem completa !!!! Deus fez o homem e depois de ver no que o mundo se transformaria ele se arrependeu de criar o homem, mas Jesus com todo seu amor e sua santidade decidiu se esvaziar da sua glória, sair da direita de Deus e descer à Terra como um homem para sofrer, apanhar, e até chegar ao ponto de morrer por nós, por nossos pecados para que Deus nos desse mais uma chance! Deus nos deu mais uma chance e parece que o homem não está sabendo dar valor a isso e eu acredito no que a bíblia fala; que Deus baixará sua ira sobre a terra como já está acontecendo no mundo! Espero que muitos se arrependam e façam uma aliança verdadeira com Deus! Fonte(s): eu mesm@


Divina

– Então um deus onisciente não sabe que o homem vai pecar ANTES de criar o homem e se arrepende porque as coisas não saíram como ele planejou? Que raio de onisciência é essa? E ele faz um ser imperfeito, cheio de falhas e possibilidades de erros e depois fica “irado” quando o que ele já fez errado dá errado? É como um marceneiro que faça uma cadeira frágil, toda torta e mal colada e depois fica bravo com a cadeira porque ela se quebra toda quando alguém senta nela. Aí vem o filho do marceneiro e, tomado de amores pela cadeira, vai se tornar cadeira também! Tenha paciência! Não vejo nenhuma sombra de sentido nesse argumento. E eu, a cadeira mal feita, tenho que ficar feliz porque o marceneiro incompetente me deu mais uma chance? E ainda tenho que adorar esse marceneiro sádico que por sua própria incompetência tortura a cadeira e ainda, não satisfeito, tortura o próprio filho? Me poupa!


Resposta 10

– Da permanência na morte... Morremos hoje, mas um dia, Jesus nos ressuscitará, e seremos felizes, eternamente com ele...


Divina

– E os terroristas islâmicos morrem no momento do atentado, mas estarão felizes eternamente com suas 72 virgens no reino de Alá. Em qual dos dois eu acredito? Não vejo mais lógica ou sentido em um do que no outro. Acho melhor não acreditar em nenhum dos dois.


Resposta 11

– A palavra de Deus (= Jesus cristo) nos salva da morte espiritual. O salário do pecado é a morte espiritual eterna. O Filho de Deus veio ao mundo a fim de que não morrêssemos espiritualmente, por causa dos nossos próprios pecados. O homem que se arrepende e pede perdão a Deus, recebe a salvação de sua alma e herda a vida eterna. Todo aquele que não crê no Filho de Deus, não crê no seu Evangelho, perdendo-se espiritualmente para sempre.


Divina

– Deus é o mesmo Jesus? Então é o próprio marceneiro incompetente que fica irado com a cadeira e depois vem “salvar” a cadeira? E eu tenho que me arrepender de que mesmo? De Adão e Eva terem comido a maçã? Mas se foram eles que comeram e não eu! Tenho que me arrepender de ser humana, falha, cheia de defeitos e um ser em cujo cerne está contido o mal? Mas se me disseram que foi deus que me fez assim por que o arrependimento por eu ser o que sou tem que ser meu? Tenho que me arrepender dos meus pecados? Quais pecados? Do pecado de pensar e duvidar desse monte de absurdo que me contam e que não fazem sentido nenhum? Desculpe mas não dá. Quanto mais me falam de deus mais eu sinto que ele não tem como existir e, se existisse seria o ser mais asqueroso, nojento, mal e terrível que se pode imaginar. Não sou capaz de amar tal aberração.


Resposta 12

– Há varias teorias sobre o assunto. Uma delas: Deus iria acabar com a raça humana e Jesus resolveu se sacrificar na Cruz para salvar toda a humanidade.


Divina

– Desculpe mas essa teoria é tão furada quanto as outras e deus sai tão mal nessa quanto nas outras porque, de novo, o que estão afirmando é que Jesus vem se sacrificar pelos seres mal feitos que o incompetente do pai dele (= ele mesmo) fez. Vamos fazer outro paralelo? Uma montadora cria um novo carro e faz tudo o que poderia ser feito de errado para que o carro não funcione bem, depois cada voltinha no quarteirão é um desastre, um acidente com feridos e mortos na contagem. O executivo responsável pela criação do carro resolve ficar “irado” e matar todos os motoristas; daí o filho dele, penalizado, resolve dirigir um dos carros para que o papai se sensibilize e não mate os coitadinhos dos motoristas que não sabiam o que estavam fazendo. Por que ninguém pensa que se há alguém digno de punição e castigo esse alguém é o criador e não a criatura? Se um carro é mal feito a culpa é do fabricante, se uma cadeira está mal feita a culpa é do marceneiro, e esses fatos, quando se trata de qualquer outro assunto, nos parecem tão óbvios. Por que então o fato de sermos seres imperfeitos e cheios de falhas – e de possibilidades de terríveis falhas – não é culpa de um criador se criador houver? Acho que é porque o ser humano, além de todas as outras muitas falhas, tem a falha de não se achar imperfeito, ou tem a falha de ter tanto medo da morte que para acreditar que não morrerá de verdade é capaz de acreditar também em qualquer outro monte de absurdos.


Resposta 13

– Primordialmente da condenação eterna. Um vislumbre de sua obra salvífica pode ser visto na transformação "radical" que milhões de pessoas recebem em suas vidas ao se entregarem totalmente a seu evangelho.


Divina

– Isso é verdade. Há uma transformação bastante grande nas pessoas quando elas se tornam crentes, tornam-se fiéis a Alá ou “aceitam Jesus”, mas acho que é simplesmente porque elas aceitam o que ouvem ou leem sem questionar. E esse processo de não questionar uma crença, qualquer que seja ela, se faz em diversos níveis; vai desde a simples aceitação de que é verdade justamente aquilo que as pessoas queriam ouvir como verdade, passando por outras formas mais ou menos graves até à loucura de não pensar mais, como acontece com todos os fanáticos em qualquer nível. Eles aceitam absolutamente tudo que o pastor, o padre ou livro diz como sendo a pura e inquestionável verdade, e mesmo quando há incoerências obvias ou quando aquele mesmo conceito, em outras circunstâncias e sob outra ótica, seria certamente rejeitado, eles se recusam a enxergar as incoerências e a perceber os absurdos; se recusam a relacionar essas crenças e atitudes com outros fatos ou outras situações da vida.

O fato é que aceitar como verdade tudo aquilo que desejamos que seja verdade é natural do ser humano; adoramos ser convencidos de que estamos certos! E a loucura coletiva nem é tão surpreendente e tão rara assim, ao longo da história as pessoas sempre se deixaram levar por histerias, não faltam exemplos de grupos que, liderados por algum bom orador, mesmo que louco ou fanático, fizeram coisas que um ser humano pensante normal e sozinho não faria. O fenômeno do nazismo é um exemplo disso, mas nem todo líder é louco ou fanático e nem todos levam seus seguidores a práticas do mal como fez Hitler, alguns transmitem mensagens positivas, como Gandhi e Jesus. Alguns pastores, padres, lamas, rabinos, imans e outros líderes de todas as religiões são pessoas bem intencionadas e realmente tentam conduzir bem o seu rebanho, mesmo esses não percebem e não querem perceber as incoerências da própria fé. Mas pior do que haver líderes que não querem enxergar as incoerências do que pregam como verdade é que sempre há aqueles que se aproveitam da posição de líder e levam seus seguidores a não agirem bem. Exemplos não faltam, como os líderes que criam os terroristas islâmicos, os religiosos que incentivam o preconceito e a intolerância, muitas vezes ao ponto de levar seus seguidores a matarem e torturarem pessoas só porque são fisicamente muito pouco diferentes, nasceram em lugares diferentes, foram criados em comunidades diferentes, aprenderam uma língua diferente ou pensam de forma diferente. E há, cada vez mais comum e mais bem sucedidos, os pastores que convencem os fieis a lhes darem tanto dinheiro a ponto de torná-los milionários. O ser humano é maleável, influenciável e é fato que a manada é fácil de conduzir. Esse fato, a meu ver, é só mais uma falha da criação do deus que se diz perfeito.


Resposta 14

– Jesus veio salvar você do lugar onde você vai passar sua eternidade. Isso depende de como você acabar com sua vida.


Divina

– Acho que devo entender que se continuar questionando a religião e duvidando da existência de deus vou pro inferno, mas se me arrepender posso escapar de passar a eternidade no inferno porque Jesus me salvaria disso. Estou chegando a essa conclusão não tanto pela resposta acima, mas pelo “tom” dela que me remete às muitas advertências, algumas bem iradas, que já recebi por conta dos meus textos. Bem, se for assim, mais um motivo tenho eu para abominar esse deus. Ele teria me criado e me dado um cérebro que eu resolvi usar e uma personalidade indócil que me torna questionadora; além disso, me deu uma total incapacidade de aceitar incoerências óbvias. Ele, deus, teria me criado assim, e criou também um lugar de fogo e tortura eternos, e por eu ser como ele me criou, porque ousei agir de acordo com a personalidade que ele me deu, ele vai me deixar lá, queimando e sofrendo por toda a eternidade, caso eu não me arrependa de ser o que sou. Muito bom e piedoso esse deus não? Ainda bem que sei que isso tudo é conversa de quem não pensou direito e que esse deus não existe, caso contrário acho que eu me envenenaria de tanto ódio e tanta revolta contra esse ser tão terrivelmente sádico e injusto.


Resposta 15

– Se Jesus não tivesse vindo à Terra, com certeza estaríamos em mundo pagão. Jesus veio para nos ensinar como devemos agir em cada situação em nossas vidas, trouxe o amor de Deus a nós, pois o mundo já estava meio em desordem. Trouxe a santidade, a Eucaristia pela Igreja dEle, a Católica, trouxe mais um mandamento: amai uns aos outros como eu vos tenho a amado. E levou todo o pecado da humanidade, ou seja, sofreu muito, não sei se você assistiu a paixão de Cristo mas aquilo é uma pequena porcentagem do que Cristo passou de verdade, e aí Ele morreu pelo pecado da humanidade, porém, Ele venceu tudo isso ao ressuscitar, e nos mostrou que venceremos a morte também! Abraços. Fica com Deus!


Divina

– Se Jesus não tivesse vindo estaríamos em um mundo pagão? E em que mundo você acha que está? O cristianismo não é a religião com maior número de adeptos do mundo; não é nem mesmo UMA religião, são várias, e para os seguidores de cada uma delas os seguidores de todas as outras, os religiosos não cristãos, os não religiosos, os agnósticos e os ateus são todos pagãos. Se você fizer as contas verá que os pagãos são a grande maioria, qualquer que seja a sua religião. Então, se olhar para essa realidade, acho que só podemos concluir que estamos em um mundo pagão, Não? E para quem veio ensinar tanto, Jesus esqueceu de ensinar muita coisa: Não vi muitas lições sobre respeito para com os animais e a natureza; ele joga os demônios nos porcos e os mata, ele mata uma figueira só porque não deu fruto fora de época. Não vi tanta coisa assim sobre tolerância para com os não adeptos; ele simplesmente dizia que quem não acreditasse nele queimaria no inferno por toda a eternidade. E não vi muito respeito à família também; ele incitava todos a abandonarem a família para segui-lo e tratava muito mal a própria mãe. Além disso, surgiram tantas coisas e tantas situações sobre as quais não se pode encontrar respostas nas lições de Jesus. Por exemplo, só por interpretações – que cada um faz a sua a seu gosto – se pode falar algo sobre ensinamentos de Jesus quanto ao uso de energia atômica, eutanásia, transplante de órgãos, aborto, barriga de aluguel, uso de agrotóxicos, transfusão de sangue, o uso da mídia pela religião e outros temas que Jesus, embora digam que era deus e que deus é onisciente, não sabia e aparentemente não imaginava que viriam a preocupar as pessoas. O que ele acreditava mesmo é que voltaria ainda no tempo de vida da maioria dos seus contemporâneos.

Você diz que o mundo estava meio em desordem: e que ordem está vendo nele agora? No caso de a vinda de Jesus ter mesmo servido para alguma coisa você não acha que teríamos ordem de verdade? E que essa ordem seria indiscutivelmente e inquestionavelmente obra de Jesus sem que ninguém tivesse como discordar disso? Sinto dizer, mas pra quem tá de fora essa vinda não parece ter sido exatamente um bem, principalmente se, como você diz, ele fez tudo através da igreja católica; essa igreja cuja história está coberta de sangue, crimes e vergonhas e cujas vítimas se contam em milhões. E ele venceu? Que bom pra ele! Mas cadê os indícios dessa vitória? Não consigo perceber nenhum.


Resposta 16

– Divina, a maior parte das respostas que você citou está correta. Nós dizemos que Jesus veio para nos salvar e nos salvou. O fato é que, mesmo ele vindo, temos a opção de segui-lo ou não. Tudo que tenho, tenho em abundância: Felicidade, saúde, determinação para trabalhar e ganhar meu sustento, vida, harmonia, família, etc. O fato é que a maior parte das pessoas culpa a Deus pela frustração de escolher errado e ter resultados ruins. As escolhas humanas, sem a presença de Deus, tendem a falhar e trazer resultados inesperados ou felicidade passageira. Ser cristão é muito mais profundo e muito mais complexo do que só ler a Bíblia. Tomar decisões baseadas na vontade de Deus é realmente difícil, e grande parte das pessoas não deixam o orgulho de lado para fazer as coisas da maneira correta; julgam que sabem o que é bom para si e tomam suas próprias decisões de forma egocêntrica. Essas decisões desencadeiam uma série de coisas, que Deus diz que devemos deixar de lado: por exemplo, orgulho, vaidade, etc. Então, se escolhemos por nós mesmos, temos que responder por nós mesmos. Se escolhemos segundo a vontade de Deus, não temos problemas. Entendeu?


Divina

– Ele veio nos salvar ou nos submeter? Se eu o sigo (= me submeto) estou salva; se me recuso a cair nessa conversa queimo no inferno por toda a eternidade ou morro e não tenho direito ao bem maior da vida eterna, seja lá o que isso for; e pra vocês isso se parece mesmo com liberdade? Não vejo muita semelhança não. E você vem também com essa conversa de que temos escolha e que tudo o que sofremos só sofremos porque fazemos a escolha errada. Pense um pouco: Que escolha errada fez uma criança que foi violentada e morta? Que escolha errada fez uma pessoa que nasceu escrava ou alguém que nasce com uma doença degenerativa ou uma deficiência mental? Que escolha errada fez aquele que estava na igreja, rezando (ou orando) e um terremoto ou um furacão levou a igreja com ele dentro, derrubou o teto da igreja sobre a sua cabeça ou então derrubou sua casa matando seus filhos?

Você diz que tem tudo em abundância, e jura que está grato por isso? Por que está grato? Você acha que é melhor e merece mais do que os milhões de pessoas do mundo que não tem nada em abundância? Não é falta de humildade da sua parte e de justiça da parte do seu deus? Você toma decisões baseadas na vontade de deus? Como sabe qual é a vontade de deus? Se for pela bíblia que você se guia então você não leu a bíblia direito; lá hora ele manda fazer uma coisa, ora manda fazer outra; lá ele muitas vezes manda cometer crimes e agir de forma injusta, intolerante e criminosa. Não, ele não diz pra deixar orgulho e vaidade de lado, pelo menos não é isso que percebo quando os seus seguidores se denominam “escolhidos”; não consigo perceber expressão mais orgulhosa e vaidosa do que essa.

Escolhemos por nós mesmos? Você escolheu ter nascido? Escolheu ser uma pessoa? Escolheu seu sexo, sua cor e sua nacionalidade? Você escolheu seus pais, seus irmãos, a época em que nasceu? Você escolhe os sentimentos que tem, os medos que te visitam, as notícias que lê e ouve? Eu não escolho e não escolhi nada disso e para quem tem tanta liberdade, como você parece acreditar, acho que não sou assim tão livre; e é dessa forma que vejo as outras pessoas. Será que com você é diferente? Por quê?


Resposta 17

– Divina, é o seguinte... Antes de Jesus vir a terra, o mundo estava um caos, afinal, antes de Jesus, Deus deixou bem claro que o salário do pecado seria a morte, toda pessoa que praticasse qualquer tipo de pecado, simplesmente morreria espiritualmente, não teria uma chance de ser salva e ir para o reino de Deus nos céus. Só que o mundo já estava praticamente perdido, pois todos eram muito pecadores, as pessoas estavam totalmente perdidas, o sexo por exemplo, já estava algo muito banal, era pai com filha, tia com sobrinho, orgias e orgias, e assim vai... Então Deus resolveu mandar Jesus Cristo para salvar o ser humano da morte, já que todos eram pecadores, e Jesus morreu por todos nós, para que não precisássemos morrer espiritualmente quando pecássemos, e depois que Jesus morreu, ganhamos a chance de nos arrepender de coração, se Deus perdoar nossos pecados, podemos sim subir aos céus. Sacou? Por isso que dizemos que Jesus Cristo morreu em nosso lugar, por que se não fosse ele salvar a nossa pele, estávamos na roça! Agora, estamos só esperando a volta dele, e eu acredito!!!! Fonte(s): eu evangélica


Divina

– Você é uma pessoa muito engraçada: Diz que o mundo de ANTES de Jesus era um caos e descreve o mundo DEPOIS de Jesus! Só faltou falar da Inquisição, dos pastores aproveitadores e dos padres pedófilos. Então pra você é normal que um deus onipotente crie um mundo cheio de defeitos e seres cheios de falhas e depois castigue esses seres por serem como ele mesmo os criou? E é normal que um deus que poderia fazer QUALQUER COISA faça pessoas com inclinação para o pecado e depois resolva matar o próprio filho para que esses pecadores fiquem bonzinhos depois da morte? Jura que não te parece estranho que um deus onisciente não sabia que seria desobedecido ANTES de sê-lo? Não te parece mesmo esquisito um deus que cria seres com genitais plenos de terminações nervosas e sensibilidade, além de com um forte instinto sexual e depois resolva que simplesmente não quer que se use esses instintos e determina que esses órgãos (que ele criou) são sujos? Sério que você consegue ver justiça em um deus que castiga nos filhos os erros dos pais durante muitas e muitas gerações e depois, mesmo sendo onipotente, não encontra meio melhor de parar com isso do que permitir a tortura e morte do próprio filho? Você realmente pensou direito sua religião? Tem certeza?


Resposta 18

– Antes de Jesus, nenhum homem justo ia para o céu e os que morreram antes Dele permaneciam num estado de "limbo", ou seja, sem destino, sem céu e sem vida natural, porque o pecado original não permitia que o homem se aproximasse de Deus, do céu. Enquanto os homens ímpios viviam já num estado de inferno. Depois que Jesus veio ao mundo, essas almas justas foram levadas ao céu (por causa dos méritos de Jesus) e puderam usufruir da Vida de Deus, da Divindade para sempre. O pecado que não nos permitia viver a Vida de Deus aqui nesta Terra e depois ir contemplar Deus nos céus, por isso todos os homens de bem acabavam se perdendo e não eram salvos nem por seus próprios méritos nem pelos méritos de outros. Mas Jesus fez isso. Pagou essa dívida de maldição que abria um abismo intransponível entre nós e Deus. Por causa do pecado, o homem iria morrer e pagar esse pecado no limbo (os justos) e no inferno (os ímpios) por toda a eternidade. Com o pagamento em seu Corpo que Jesus sofreu, o homem pode agora se livrar dessa vida sem Deus e ir para a convivência com os Anjos e a contemplação e o usufruto divino por toda a eternidade, vivendo a vida de Deus. Por causa do pecado, Lúcifer e os outros anjos rebeldes tinham domínio e poder sobre todos os humanos, mas depois de Jesus, aqueles que O aceitarem, não sofrem as penas eternas do inferno e satanás não pode tocar nessa alma. Jesus também nos conseguiu a ressurreição do nosso corpo no dia de sua Volta Gloriosa, ao qual nossa alma será unida para sempre. Por isso o que os méritos de todos os humanos não seriam capazes de pagar diante da justiça divina (porque era preciso uma pessoa sem pecado para pagar esses pecados, porque Adão e Eva eram sem pecados quando se rebelaram), então Deus se fez homem, e como Deus é perfeitíssimo, Ele, na Pessoa de Jesus, foi capaz de fazer isso de um modo infinitamente superior, sendo capaz além de pagar nossos pecados e também nos elevar a viver sua Divindade nos céus, depois de nossa morte. Isto porém não quer dizer que seremos deuses, mas viveremos a intimidade da Divindade de Jesus, porquanto Ele é humano totalmente pode nos levar a viver também sua Vida Divina, pois um humano entrou na Comunhão da Divindade, e agora, os que Nele viverem também o poderão. Portanto, Jesus nos elevou acima dos Anjos de Deus (por graça, e não por natureza, porque nossa natureza é inferior a deles), porque Eles não tem essa intimidade com a Divindade, pois que Deus não se tornou um anjo. Depois de tudo, não podemos nós chamar Jesus de Salvador? Ele é mais que Salvador, Ele é Redentor. Grande abraço. Fonte(s): http://profeciasdoceu.zip.net/


Divina

– Santa confusão, Batman! Então é verdade que o deus todo poderoso não tem poder para criar seres realmente perfeitos e então cria seres com defeito que vão fazer coisas que para o bem deles mesmos não deveriam fazer? Esses primeiros humanos além de pecadores são burros, né? Mas eles não são criaturas do deus perfeitíssimo? Será que um deus que fosse realmente perfeitissimo não seria capaz de criar seres melhores? E o deus que tudo sabe não sabe que os seres que ele criou são defeituosos? Ele não sabe mesmo que suas criaturas tem o defeito da curiosidade e a tendência à desobediência e que por isso não vão agir conforme ele mandar? Pois é, parece que ele tanto não sabe que fica triste, irado, surpreso e até arrependido de ter criado esses seres! Como é que um ser onipotente e onisciente pode se arrepender? Onde é mesmo que está essa onisciência? É verdade que o deus bondoso castiga duramente aqueles que apenas agiram conforme sua índole e sua essência? E castiga muito duramente e por toda a eternidade? Mas não foi ele mesmo que, depois de criar os seres com defeito, fez tudo para dar a oportunidade de eles errarem? Não foi ele que colocou a árvore do bem e do mal no meio do jardim, bem debaixo do nariz deles? E não foi ele que criou e mandou uma cobra para convencê-los e garantir que não resistiriam? Ou será que a segurança do jardim era tão defeituosa que ele simplesmente foi invadido? E invadido por quem? Por uma outra criatura defeituosa desse mesmo deus que se diz perfeitíssimo? Mas Lúcifer quando foi criado era perfeito? Talvez você queira me convencer de que não é defeituoso o que começa certo e depois dá errado? Você acredita mesmo que é perfeito o que vai deixar de ser logo logo? Então um carro que foi fabricado e funcionou direitinho é perfeito mesmo que a alavanca de câmbio quebre antes de completar 200 quilômetros de rodagem?

Depois o deus justo estende o castigo para todos os descendentes daqueles que caíram na armadilha que ele mesmo preparou? E alguém chama isso de justiça? Quer dizer que eu devo me arrepender pelo erro de alguém que nem sei se existiu mesmo? E você garante que, além de tudo, o deus onipresente fica assistindo de camarote todas as desgraças que resultam de suas ações e não faz nada para evitar essas desgraças? Você me diz mais, diz que, ao contrário de evitar as desgraças, o que o deus onipresente faz é mandar um filho em forma humana? E diz ainda que esse filho que era também o pai, para aumentar mais ainda essa desgraceira toda, fundou uma religião que mataria e torturaria milhões de pessoas ao longo dos séculos? E você acha que tudo isso é bom? Desculpe meu bem, mas eu é que não quero nenhuma intimidade com esse ser assim tão asqueroso. Viver a tal “comunhão da divindade” me parece algo bem mais terrível do que foi aliar-se a Hitler e ajudá-lo a fazer sua matança. Tô fora!


Resposta 19

– A bíblia diz que Cristo deveria morrer para nos salvar do pecado, desde o livro de Isaías no Antigo Testamento. Antes era o sacrifício de ovelhas que nos remia do pecado. Com o sacrifício vicário de Cristo na Cruz, não precisamos mais matar cordeirinhos para ter nossos pecados perdoados. Ele se fez pecado absorvendo toda nossa culpa, mesmo ele não tendo pecado algum, dando-nos assim mais uma oportunidade de salvação. Tudo isso, já estava profetizado que haveria de acontecer e aconteceu. Hoje somos salvos exclusivamente por nosso arrependimento sincero em Cristo Jesus. Fique com Deus !


Divina

– Credo! E você acha normal que um deus criador todo poder e todo bondade e justiça exija sacrifício de ovelhas e cordeirinhos e depois mude e passe a exigir, ou aceitar, o sacrifício do próprio filho? Tem certeza de que você não consegue mesmo perceber o sadismo doentio de um deus que fosse assim? E de que pecado assim tão terrível ele nos perdoou? Do pecado de sermos descendentes remotíssimos de um casal que se deixou enganar por uma serpente falante e comeu uma fruta que o seu deus criador colocou bem na frente deles como a maior tentação possível e disse que não comecem e ainda mentiu sobre o motivo da proibição dizendo que se comessem morreriam? Somos todos pecadores por termos nascido, sem pedir por isso, como membros de uma raça criada por um deus que determina que suas criaturas não façam o que ele os criou para fazer? Juro, eu não entendo mesmo como é que vocês cristãos conseguem adorar esse deus tão terrível. Não entendo como é que vocês conseguem não perceber que ele simplesmente não tem como existir. Como conseguem não perceber que um deus que fosse bom não seria nem sequer parecido com o deus que vocês adoram? Aliás, se existisse um deus realmente bom nós não existiríamos porque um deus bom jamais criaria seres tão plenos de defeitos como nós. Como é que vocês conseguem não enxergar isso? Pense só um pouco: Por que um deus todo poder e todo bondade criaria seres que não são perfeitos como ele? Por que um deus todo poder e todo bondade (e onisciente!) criaria seres que são ou que podem se tornar maus? Por que um deus todo poder e todo bondade criaria um mundo cheio de coisas ruins e possibilidades de coisas ruins como é e sempre foi esse mundo em que vivemos?

Você consegue mesmo ver a notícia de um evento catastrófico, como um terremoto ou uma guerra, saber que muitas e muitas pessoas e animais morreram, foram mutilados ou perderam seus lares, seus filhos, irmãos, pais, companheiros, amigos e mesmo assim dizer e acreditar sinceramente que esse mundo é criação de um deus todo poderoso que é bom e que se importa? O que há de errado com você?